quarta-feira, 12 de novembro de 2008

domingo, 13 de julho de 2008

no trigal com corvos



Acrilica s/ tela .14,8 x 21,0.

auto retrato



Acrilica s/ tela. 42,0 x 59,4 cm.

terça-feira, 13 de maio de 2008

Lábios,
Tremor,
Lermontov.

Bóris P
Pasternak

quarta-feira, 2 de abril de 2008

BLUE


BLUE ,
lapís de olho s/papel
2008
Tikka sobral

O homem com Baton e Lapís de OlhO


O homem com Baton e Lapís de OlhO

Mista s/ papel
Tikka Sobral

quinta-feira, 27 de março de 2008







Nanquim s/ Papel.21,0 x 29,7cm.

domingo, 9 de março de 2008


Foto:phil branco

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

xiloGravuras





PROPRIEDADE INTELECTUAL : tikka sobral
Desenhos para matrizes para Xilogravura para o projeto “Imagens do Cotidiano”. Circuito das Artes ,6° edição da bolsa de pesquisa e criação artística. Instituto de artes do Pará.2007.

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Enxugar uma só lágrima merece mais / Honesta fama, do que verter mares de sangue.]
George [Lord] Byron

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

NOITE ADENTRO


nanquim s/ muro Tikka Sobral /Foto:André de aviz

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

ANSEIOS CRÍPTICOS

"Obras de arte são rebeldias.A rebeldia é um bem absoluto.Sua manifestação na linguagem chamamos de poesia,inestimável inutensílio.As várias prosas do cotidiano e do (s) sistema(s) tentam domar a megera.Mas ela sempre volta a incomodar.Com o radical incômodo de uma coisa in-útil num mundo onde tudo tem que dar lucro e tem um por quê."(Paulo Leminski, em Anseios Crípticos)

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

A ESTRELA CHOROU ROSA...

A estrela chorou rosa ao céu de tua orelha.
O infinito rolou branco, da nuca aos rins.
O mar perolou ruivo em tua teta vermelha.
E o homem sangrou negro o altar dos teus quadris.

Rimbaud livre - Augusto de campos

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

A MULHER INTRANSPONÍVEL
(Excertos)
2

Cruza e descruza as tuas

pernas sangüínea imagem do

desejo

espero o que for preciso eu

irei crescendo com

as margens

guy goffette

Tradução: Mário laranjeira

Imagem:Tikka sobral

mista s/ papel - 08

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

DIADEMA

diadema

para Tikka Sobral

oh!
me diz
:
quando te entregas à solidão do desenho, o que vêem teus olhos furados? - que alturas tocam tuas mãos suntuosas: sete solidões, noites sem cabimento, duas meninas? que deuses amaldiçoas, como semeasses amor entre os homens? onde largas teus cosméticos, teus pássaros, teu motor, tua coroa de euforia e dor?

tua mão - assim como a minha, cava hiperpoezia

mas oh! – me diz
:
como cavar sem desinteirar o que sinto?

oh!
glória! glória!
glória no inferno a quem te fura os olhos! glória e morte aos que tentam costurá-los enquanto lambes tuas feridas! pois enfim enxergas – estás pronta, bela, triunfante!
sim!
tua sotaina se abre e se dilata contra os escombros da cidade infecta

apenas por isso - para esconjurar meu próprio Ser, recito teu nome: Tikka! Tikka! Tikka! então experimento o átomo do verso puro

deus algum ousa subir a montanha a que te retiras, nenhum verme, sequer O Chamado pode ser ouvido eu sei: agora um brilho duradouro te atinge por dentro, uma paixão sem nome mastigam o ar que respiras todo o resto – a bruma do Tempo, o pó da solidão, esta noite lírica, estrangulada de poezia - tudo celebra a essence absolue da Vida: diadema em que pulsas acima do Bem e do Mal que necessito

Dand M. Jan 08